Daily Calendar

Seguidores

domingo, 25 de setembro de 2011

O crioulo nas Nações Unidas

Tenho um crioulo "mariado", que é como quem diz "verdinho, verdinho, verdinho", mas tento todos os dias melhorá-lo, alías se fosse realizar um estudo estátistico de: "qual a língua que falo mais vezes ao dia" diria que a Língua Cabo-Verdiana era a vencedora. Nunca vou esquecer esta frase de Jorge Amado "A vida em Cabo Verde decorre em Crioulo", pois não poderia estar mais certo. No ambiente formal lá está o Português, cheio de "solenidades, com toda a pompa e circunstância", nas conversas diárias, na intimidade, no melhor do saber expressar as nossas emoções lá está o Crioulo. Numa entrevista, se quero captar a essência do meu entrevistado deixe-o expressar em Crioulo, até porque daí poderá sair "expressões" bem engraçadas. Sempre fui apologista da oficialização da Língua Cabo-Verdiana... e só quem vive em Cabo Verde e que sente este povo, esta cultura, é que se apercebe que não há outro caminho.

O Crioulo é a mãe. É a língua ensinada desde o momento em que uma criança começa a proferir as suas primeiras palavras. Até sensivelmente aos 6 anos, altura em que entra no ensino primário, é a expressão que domina, que fala, que conhece. E continua a ser assim ao longo dos anos... língua que melhor domina, que melhor conhece... língua do seu coração, das suas raízes, que os seus pais falam, com que expressa as suas mágoas, é através dela que conta um segredo a um amigo, que se revolta quando está chateado, que pede desculpas quando erra, é a língua que serve para exaltar as suas alegrias. O crioulo é a mãe as outras são as madrastas... e pode se gostar imenso de uma madrasta mas não amá-la como uma mãe.

Sou também apologista do melhoramento do ensino do Português, da minha Língua materna, que tanto encanta, quinta mais falada do mundo. Mas como complemento à Lingua Cabo-Verdiana, sem nunca se esquecer do ensino do crioulo. Fundanmental? Não, mais do que isso... uma obrigação. Aprender a nossa língua, as suas regras, grámatica, para depois conseguirmos aprender melhor uma outra. Sinceramente, acho que Cabo Verde necessita disso.

E deixem-se de lá de politiquices, daquelas como: "Cabo Verde irá perder com isso, Portugal e o seu "apoio externo" não irão gostar disso, Cabo Verde irá ficar sozinho"... Desculpem a expressão "Bolshit" que é como quem diz "vão lá para o outro lado..." Basta olhar para a 2º, 3º geração, falam inglês, francês, chinês, japonês, mas a todos foi ensinado o crioulo. Onde estão os cabo-verdianos está o crioulo.

Sei que há a questão do Alupec, sei que há questão das variantes, sei que há questão do Barlavento e Sotavento... Mas sinceramente apetece-me ter uma visão utópica da coisa... uma visão simples e talvez sonhadora, mas é a visão que quero manter... Acredito profundamente que a Língua Cabo-Verdiana irá ser oficializada brevemente.

Por isso, fiquei muito contente quando o Primeiro Ministro, José Maria Neves, falou pela primeira vez em Crioulo à Assembleia das Nações Unidas.

Podem dizer que é estratégia, que foi uma atitude de puro populismo, que quando são os países mais pequenos a discursar a sala está quase sempre vazia e por isso não surtiu efeito. Who cares? O importante é a atitude, teve essa ousadia, e essa ousadia é de ser louvada.

Palmas Sr. Primeiro Ministro... mas agora está na altura de regressar pois a Electra e a falta de Segurança chamam por si!

http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2011/09/discurso/

4 comentários:

Reggae People disse...

Concordo inteiramnte consigo. Näo conhecia o blog mas virei fan.
Bu sensibilidade capta essëncia di cusa.

A moderacao dos comentários é que foi meio...

Vadini Ferreira

Redy Wilson Lima disse...

Pelos vistos mudaste de opinião em relação à oficialização da língua mãe... três anos depois. O momento crioulo Zemas na ONU foi, quanto a mim, puro populismo e estratégia política interna, mas tiro-lhe o chapéu por isso e, ao contrário do Veiga, o Carlos, que prometeu nos anos 90 fazer uma revolução com a oficialização da nossa língua - conversa para boi dormir -, este vai a Nova Iorque e pimba. Falta agora é ter tomates em casa. Nha opinion.

Margarida Conde disse...

Boa Noite Reggae People espero que continue a gostar do "sei que quero saber" Volte sempre será sempre bem vindo

Margarida Conde disse...

Caro Redy

Não foi preciso 3 anos, já tinha escrito há cerca de 1 ano e meio sobre essa temática. E ainda bem que mudei de opinião, sabes há medida que o tempo passa compreendo mais a alma crioula, e metade da minha já aqui pertence. Como te disse, seja estratégia ou mero populismo foi uma atitude ousada que merece as nossas palmas. Agora o Sr.Primeiro Ministro tem assuntos mais importantes para tratar aqui em Cabo Verde. Como por exemplo explicar porquê é que hoje tive que estar 15 horas consecutivas sem luz, e como é que vou conseguir manter a minha empresa se isto continuar? E não venham com as histórias do gerador, porque não vou comprar, por amor de deus. Vamos fazer alguma coisa, sair para a rua, manifestarmo-nos mas como deve ser, mas fazer qualquer coisaaaaa, pois já não há quem aguente toda esta inércia política.